Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
o-apocalipse-segundo-einstein-como-o-cientista-previu-o-fim-do-mundo-thumb.png

O Apocalipse segundo Einstein: como o cientista previu o fim do mundo?

O mundo é feito de um conjunto quase incontável de átomos, no entanto, algumas dessas partículas, quando fissionadas ou fusionadas podem ser mais letais do que outras, como nos mostrou o Projeto Manhattan.

Criado durante a Segunda Guerra Mundial, o projeto reuniu algumas das mentes mais brilhantes do mundo para o desenvolvimento de armas nucleares. Mas Albert Einstein não estava entre eles. 

Ainda que o cientista tenha escrito cartas urgindo que os Estados Unidos desenvolvessem com urgência a tecnologia nuclear, ele não esteve intimamente envolvido no processo. 

Albert Einstein é o pai das teorias da relatividade geral e restrita. (Fonte: Getty Images / Reprodução)

Hidrogênio e um mundo em chamas

Após o teste em Los Alamos, já havia ficado claro para muitos dos cientistas o potencial de destruição das bombas atômicas, o que foi reforçado com Fat Man (Nagasaki) e Little Boy (Hiroshima), em 1945.

Diante da urgência de pensar em quais usos e potenciais ameaças essa nova tecnologia poderia criar, um grupo de cientistas solicitou, em 1946, a criação de uma comissão para deliberar sobre leis de regência para os usos da energia nuclear.

O corpo científico, olhando sua obra, temeu pelo futuro da humanidade, principalmente, depois do desenvolvimento de bombas capazes de superar, em muito, o poder das bombas nucleares clássicas, a bomba de hidrogênio

A maior bomba de hidrogênio já testada foi a Tsar Bomb, desenvolvida pela União Soviética. Foi detonada em 1961, com a força equivalente a 58 milhões de toneladas de TNT. (Fonte: GettyImages/Reprodução)
A maior bomba de hidrogênio já testada foi a Tsar Bomb, desenvolvida pela União Soviética. Foi detonada em 1961, com a força equivalente a 58 milhões de toneladas de TNT. (Fonte: Getty Images / Reprodução)

Einstein e um grupo de cientistas desenvolveram, em 1955, um manifesto, no qual fazem um alerta sobre o uso indiscriminado das armas nucleares e um apelo pela manutenção da vida.

O texto lembra que a destruição causada pelas bombas atômicas e “H”, não é algo simples, mas sim um fenômeno que se perpetua em dor e sofrimento agonizante por anos, decorrente da contaminação nuclear.

Apela para que “humanidade” não seja apenas um termo vago e distante, mas algo que faça parte da crítica humana quando assuntos de guerra forem tratados, pensando nas consequências a longo prazo, que afetam não apenas essa geração, mas dos filhos e netos. 

Os danos da bomba impactaram e ainda impactam o solo e a saúde das pessoas que vivem nas regiões atingidas. (Fonte: GettyImages/Reprodução)
Os danos da bomba impactaram e ainda impactam o solo e a saúde das pessoas que vivem nas regiões atingidas. (Fonte: Getty Images / Reprodução)

Para Einstein, caso isso não fosse considerado, o apocalipse da humanidade é nuclear, causado pela nossa própria incapacidade de acomodar as diferenças e frear nosso ego.

Freando o apocalipse

Desde 1970, com o Tratado de não-proliferação de armas nucleares (TNP), os países não podem desenvolver esse tipo de armamento. Ao todo 189 países, assinaram o tratado, entre eles, o Brasil

No entanto, mesmo que os países não possam fabricar mais armas, estima-se que ainda hajam 13.890 ogivas nucleares, sendo que mais de 3 mil dessas, ainda estejam ativas.

No evangelho da humanidade, somos nós os cavaleiros da destruição do mundo? (Fonte: GettyImages/Reprodução)
No evangelho da humanidade, somos nós os cavaleiros da destruição do mundo? (Fonte: Getty Images / Reprodução)

Os países com maior número de artefatos são: Estados Unidos, China, França, Reino Unido e Rússia. Nos últimos anos, há um crescimento nos programas de desativação desse tipo de armamento, mas a tecnologia está posta.

Em tempos de ânimos exaltados, esperamos que as previsões de Einstein sobre o fim do mundo não se tornem o apocalipse mais real da mitologia humana.

As informações apresentadas neste post foram reproduzidas do Site Mega Curioso e são de total responsabilidade do autor.
Ver post do Autor

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn

Postes Recentes

FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO

Redes Sociais: