Adelina Charuteira, Libertária do Maranhão

Adelina Charuteira, Libertária do Maranhão

Por Revista Xapuri

Adelina Charuteira, Libertária do Maranhão Adelina Charuteira é mais uma mulher negra que lutou contra a escravidão. Conseguiu envolver muitos negros escravos contando sobre os comícios assistidos por ela e muitos destes escravos deram guarida e comida aos fugitivos. Por sua audácia, esperteza e consciência de classe, deixo para Adelina um reverberado: Salve!

Maranhão. São Luís, final do século XVIII para início do século XIX. Casarão grande e abastado, a frente forrada por azulejos portugueses, azuis e brancos. Casarão com primeira entrada, pórtico, sala da frente, sala do meio, escritório e mais para o fundo… o inferno suarento e penoso da escravidão.
As esteiras no chão, os panos encardidos, o mofo do porão. E “aiai” meus deuses, se houvesse reclamação: a chibata fazia desenhos geométricos nas peles negras e luzidias dos rebeldes.
Ali morava um rico senhor, como outros tantos da capital. Roupa de linho casimira branco, chapéu panamá, bengala bem trabalhada em chifre de rinoceronte, que mostrava com orgulho e a poucos deixava que manuseassem. Cabo lavrado com capricho. Uma belezura!
Esse senhor tinha sua esposa, filhos, propriedades. Um verdadeiro “cidadão de bem”… mas também era dono e senhor, senhor e dono de uma escrava muito bonita, que comprara não somente para o serviço, mas para aplacar sua luxúria.
Compra feita e paga. Pela rua estreita e de pedras caminhava o senhor na frente, seguido pela linda negra que tinha por apelido “Boca-da-Noite”. Orgulhoso de si, o senhor e dono da negra mal esperaria a “Boca-da-Noite” para tomar seu corpo, sua alma e coração.
Iêda Vilas-Bôas 

Deixe seu comentário