Uruguai: um voto pela democracia

Uruguai: um voto pela democracia
Por Portal Vermelho

O maravilhoso esforço de uma multidão fundamentalmente anônima permitiu à sociedade uruguaia conhecer e debater um programa secreto, astutamente incluído em uma lei de todas as coisas, aprovado por um procedimento excepcional em meio a uma catástrofe sanitária. Sem esse esforço louvável do povo, não haveria referendo ou polêmica, nem títulos de imprensa ou declarações de especialistas, políticos, organizações sociais. Eles teriam mudado as regras brutalmente, aproveitando-se de circunstâncias terríveis, esticando a Constituição como chiclete, sem qualquer possibilidade de apelação. Mas as pessoas organizadas, essa maravilha do coletivo que continua existindo, apesar da constante pregação do individualismo, e da militância, esse motor do social que não conseguiram derrotar com estratégias de marketing e dispositivos de propaganda,

Este domingo temos que decidir muitas coisas com um único voto. Aliás, é preciso decidir sobre os 135 artigos contestados, mas também sobre uma forma de governar que, na minha humilde opinião, não só é inaceitável em termos constitucionais, é inadmissível em sentido moral: não se pode legislar assim . A oportunidade de exercer o poder não pode ser usada para arrebanhar o mundo inteiro com o poncho, como se não tivéssemos o direito, independentemente de identificações políticas, de saber o que nos está sendo proposto, de estudar atentamente as mudanças que afetam nossas vidas e decidir com calma, após um procedimento sereno de diálogo, negociação e, finalmente, votos dos representantes.

Este referendo antes da metade do mandato ocorre, em primeiro lugar, porque o presidente escolheu o caminho da arrogância e da destituição dos uruguaios que não votaram nele. Ele agiu desde o início como se gozasse de enorme apoio, sem a humildade que aconselhava o conhecimento de que havia vencido por poucos votos e no segundo turno. Talvez Lacalle Pou acreditasse que este era um jogo de tudo ou nada, em que uma pequena vantagem era o mesmo que uma vitória esmagadora. Mas ele errou e a partir de segunda-feira, muito além do resultado, é imperativo que ele reveja sua conduta e comece a considerar a legitimidade dos outros, as centenas de milhares de uruguaios que não aderem ao seu projeto com profundos princípios conservadores e neoliberais. raízes e quem também existimos e temos o direito de ser ouvidos e levados em conta.

Desde o início, esse governo, e principalmente seu presidente, optou por governar numa lógica de um contra o outro. Como se governar o Uruguai fosse uma luta contra um inimigo interno. Governar com rancor, com profundo desprezo pelas organizações sociais, pela Frente Ampla, nos últimos 15 anos, mas sobretudo, com profundo desprezo de classe. Só nesta lógica de raciocínio se pode entender que dedicaram tanto tempo e esforço à perseguição, ao assédio organizado, ao insulto dos opositores, como se fossem inimigos a suprimir, erradicar ou, na sua falta, ser completamente ignorado.

Neste domingo também devemos decidir sobre essas coisas. Porque na próxima semana o mesmo presidente, os mesmos ministros e as mesmas maiorias parlamentares continuam a governar. Porque ele tem três anos no cargo e três anos é muito tempo, mais do que o tempo que ele está governando. E é absolutamente essencial que ele mude de atitude, que desça do cavalo da arrogância e desista de sua obsessão por alargar uma fenda que, dentro da sociedade, acaba afetando a convivência cotidiana das pessoas, envenenada por um ódio absurdo. .

Muitos argumentos foram feitos sobre os artigos desta lei, desta lei ruim em seu conteúdo e ainda pior em sua gestação. Mas o argumento definitivo para anulá-los não está mais nas mudanças perniciosas nele introduzidas, mas sim em uma consideração central sobre o significado da democracia. Imagine o que aconteceria se cada novo governo escolhesse esse procedimento planejado para outros fins, para realizar seu programa total. Imaginemos um país onde, a cada cinco anos, um novo governo envia um padrão de 500, 1.000, 2.000 artigos sobre 50 ou 100 temas que dizem respeito ao Estado e à vida social. Imaginemos esse instrumento nas mãos de cada presidente, nas primeiras semanas de seu mandato, usado a seu critério, quando sabemos que é aprovado à revelia, ou seja, sem necessidade de pronunciamento das câmaras,

Essa não é a maneira de mudar, essa não é a maneira de governar. Isso só pode servir para destruir os próprios alicerces da nossa democracia e cultivar o desacordo, a incerteza e o ódio.

O post Uruguai: um voto pela democracia apareceu primeiro em Vermelho.

Deixe uma resposta