Senador propõe mecanismo para estabilizar preço de combustíveis

Senador propõe mecanismo para estabilizar preço de combustíveis
Matéria publicada originalmente no Site Portal Vermelho, clique no link para ir para Site do autor: Portal vermelho

O líder da Minoria, senador Jean Paul Prates (PT-RN), apresentou na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado relatório ao projeto de lei n° 1.472/ 2021, do senador Rogério Carvalho (PT-SE) com um substitutivo que cria o Programa da Estabilização do Preço do Petróleo e Derivados no Brasil.

O parlamentar explicou que, diante da inércia do governo federal no tema, uma vez mais coube ao Congresso tomar a iniciativa, como ocorrera na questão do auxílio emergencial. “O povo não aguenta mais tanto aumento no preço dos combustíveis. Precisamos resolver essa questão o mais rápido possível”, disse.

“Não temos a pretensão de frear o preço internacional do petróleo. A partir de abril do próximo ano, com o fim do inverno na Europa, os preços devem se estabilizar. O que queremos é coibir o impacto dos períodos drásticos dessas subidas descontroladas, que impactam o bolso de milhões de brasileiros. Um país como o Brasil não pode ser feito refém do preço internacional do petróleo”, completou.

Rogério Carvalho considera que sua proposta tem o objetivo de impedir a reindexação da economia brasileira ao dólar e o debate sobre o preço dos combustíveis pretende abrir a caixa-preta do preço de paridade de importação (PPI), adotado pelo governo Temer e mantido pelo governo Bolsonaro.

“O atual governo está orientado por aumentar a lucratividade da Petrobras para garantir distribuição de dividendos aos acionistas. Mas o petroleiro recebe em real, o custo de produção é em real, o povo brasileiro recebe salário em real, o comércio e as empresas funcionam em real. Essa dolarização da economia é um desserviço ao Brasil”, afirmou.

Para ele, o país já havia superado a indexação da economia ao dólar quando o governo Lula pagou a dívida externa. “Trabalhamos para fazer a desindexação, e esse governo reindexa a economia ao dólar com o PPI. Isso impacta na taxa da inflação, que já atinge 12% no acumulado de um ano. O cidadão que ganha R$ 1.100 reais por mês terá R$ 120 reais a menos para consumir, gerando um impacto em toda a economia”, disse.

Modelo

Jean Paul Prates esclareceu que, conforme sua proposta, o governo continuará sendo o responsável pela política de preço de combustíveis, mas deverá adotar um sistema de banda (amortização de preços).

“Estamos adotando a mesma dinâmica republicana com a qual desenvolvemos o Marco Legal da Ferrovias. Estamos ajudando o governo federal! Estamos oferecendo ao governo uma caixa de ferramentas para que o Ministério de Minas e Energia, responsável principal pela política setorial e pela política de preço de combustíveis, exerça essa gestão, colocando nessa conta a compensação para o sistema de bandas funcionar”.

Jean explicou que o modelo de bandas reduzirá o preço da gasolina e do óleo diesel. “Diante de uma queda súbita no valor internacional, o programa vai manter os preços e acumular os valores correspondentes à redução dos custos. Caso o preço suba, essa reserva será usada para retardar a transferência da alta ao consumidor. É uma espécie de ‘poupança’ ou amortização dos preços, que ajudará a conter as altas do preço do combustível no mercado nacional e minimizará os impactos da política de preço de paridade de importação (PPI), implantada no Brasil desde 2017, no governo de Temer, que atrelou o custo do combustível brasileiro ao valor do dólar”, ilustrou o senador potiguar.

O procedimento para auferir a média internacional do combustível deverá adotar os seguintes critérios: custo interno de produção (inflação brasileira, taxa de juros, preço de refino e outros) e custo de importação internacional. “Não estamos invadindo a seara do Poder Executivo. Estamos falando que a política de preço dos combustíveis deverá adotar as bandas móveis, com a finalidade de estabelecer limite nas variações dos preços dos combustíveis no território nacional, definindo a frequência (período de oscilação dos preços) e o regime de compensação”, esclareceu.

O líder da Minoria acredita que a adoção desses critérios dará maior transparência e estabilidade ao preço dos combustíveis. “Hoje, os critérios do preço do combustível são conhecidos e qualquer economista de uma empresa de frete saberá quando custará o preço do combustível em determinado período. Teremos uma maior previsibilidade nos preços no mercado nacional e, consequentemente, uma queda nos preços, contribuindo para conter alta da inflação”, concluiu a explicação.

Fundo de Estabilização

O projeto prevê ainda um imposto sobre a exportação de petróleo bruto, com alíquotas progressivas, para estimular o refino no Brasil.

“Esse imposto formaria um Fundo de Estabilização para regular o preço e garantir que a Petrobras não tenha prejuízo até o próximo aumento, para não ter variação imediata, o que prejudica demais os setores, e para evitar que o principal item do consumo aumente todo dia, toda semana. Este tipo de fundo já existe no Chile e no Peru”, explicou o senador ao Portal da Central Única dos Trabalhadores (CUT).

Para Rogério Carvalho, é fundamental que o refino do petróleo seja feito no país. Hoje, a Petrobras cada vez mais exporta óleo cru e importa combustíveis refinados, enquanto a empresa desmonta seu parque de refino. O desgoverno Bolsonaro já vendeu duas refinarias, e pretende entregar mais seis.

Debate

Na próxima terça-feira (23), o projeto será debatido em audiência pública com os ministros Paulo Guedes (Economia) e Bento Albuquerque (Minas e Energia), além do presidente da Petrobras, Joaquim Silva e Luna. A votação do projeto na CAE está prevista para 30 de novembro, para depois seguir ao Plenário.

PT no Senado com informações da assessoria do senador Jean Paul Prates

O post Senador propõe mecanismo para estabilizar preço de combustíveis apareceu primeiro em Vermelho.

Deixe uma resposta