‘Revolução em formação’: tunisianos exigem retorno da democracia

‘Revolução em formação’: tunisianos exigem retorno da democracia
Por Portal Vermelho

Partidos políticos e grupos da sociedade civil continuam a rejeitar o “monopólio do poder” do presidente Kais Saied, exigindo o direito de decidir o futuro de seu país em meio a uma situação socioeconômica cada vez pior.

Centenas de tunisianos se reuniram na capital na sexta-feira para marcar o 11º aniversário da revolta que derrubou o ex-presidente Zine El Abidine Ben Ali, desafiando a proibição de reuniões públicas imposta pelo governo para combater a rápida disseminação da covid-19.

A proibição veio apenas dois dias antes de manifestações convocadas por grandes partidos políticos e figuras nacionais contra as medidas excepcionais que o presidente Saied tomou em 25 de julho – uma medida criticada pelos críticos como destinada a interromper os protestos.

No que havia sido o Dia da Revolução até o ano passado – agora oficialmente observado em 17 de dezembro, conforme decretado pelo presidente – grupos de manifestantes se reuniram em vários locais no centro de Túnis depois que as unidades de segurança bloquearam todas as estradas principais que levam à Avenida Habib Bourguiba, o renomado ponto focal da revolta de 2011.

Apesar da forte presença policial, manifestaram-se os principais partidos políticos, organizações da sociedade civil, legisladores, advogados e ativistas do país.

Na avenida Mohamed V, partidários do partido islâmico moderado Ennahdha se reuniram ao lado de membros da campanha Cidadãos contra o golpe.

O movimento Ennahdha, que detinha o maior número de assentos no parlamento agora congelado, está à frente dos partidos da oposição que protestam contra a suspensão do parlamento por Saied, sua tomada de poderes governamentais e planos para alterar a Constituição, que eles consideram um golpe. Essas medidas foram reforçadas por um decreto presidencial de 22 de setembro.

A iniciativa Cidadãos Contra o Golpe, que inclui membros e apoiadores do partido Ennahdha, além de políticos e defensores dos direitos humanos, anunciou que realizaria protestos de 17 de dezembro a 14 de janeiro para exigir o fim das medidas de emergência e o retorno à democracia.

O coletivo também exigiu a retomada dos trabalhos parlamentares, a defesa da constituição, a preservação de direitos e liberdades e a marcação de uma data para eleições legislativas e presidenciais antecipadas.

O ativista político e professor de direito constitucional Jaouhar Ben Mbarek, coordenador da campanha antigolpe, declarou em entrevista coletiva na quinta-feira que as reuniões foram realizadas em um esforço para “formar uma frente nacional democrática unida para combater o golpe”.

Contra o neoliberalismo

Ridha Belhaj, advogada e membro do comitê executivo da campanha, disse após os comícios de sexta-feira que a ampla rejeição das decisões de Saied, a forte presença de segurança e os métodos brutais usados ​​contra os manifestantes marcarão um “ponto de virada”.

“Uma grande frente de oposição surgirá para combater essa deriva autoritária, especialmente à medida que a crise econômica e social se aprofunda, isolando cada vez mais Kais Saied”, disse Belhaj.

Nos últimos dias, Cidadãos Contra o Golpe iniciou conversas preliminares com vários partidos com o objetivo de construir uma frente política.

Seu plano proposto consiste no retorno ao regime constitucional e tem como premissa o reinício da atividade do parlamento – mesmo que apenas temporariamente. Isso, por sua vez, permitiria realizar reformas políticas, como mudar a lei eleitoral parlamentar, estabelecer um tribunal constitucional e preparar novas eleições, explicou Belhaj.

Simultaneamente, continuou, deve ser aberto um debate nacional com todas as forças relevantes da sociedade tunisiana para discutir as tão necessárias reformas econômicas e sociais.

Saied prometeu repetidamente organizar um diálogo nacional nos últimos meses, embora ainda não tenha cumprido.

“O grande problema desde a revolução é esse descompasso entre as demandas socioeconômicas do povo, não atendidas até hoje, e a busca de políticas neoliberais que continuou após 2011”, disse Belhaj.

“Este é o momento para a classe política refletir sobre os erros cometidos nos últimos 11 anos e avançar em novos termos.”

O Partido dos Trabalhadores realizou seu próprio comício fora do Banco Central para comemorar o aniversário da revolução em uma escolha simbólica “para condenar a continuação do governo de Najla Bouden da mesma política financeira que prejudicou o povo e o país”, afirmou o secretário-geral Hamma Hammami .

Do lado de fora das instalações do banco, militantes do partido expressaram firme oposição tanto à tomada de poder do presidente quanto à recuperação do establishment político liderado pelo Ennahdha e seus aliados.

A saída, segundo eles, é a criação de um eixo progressista, revolucionário, capaz de liderar a próxima fase, indicando que o foco deve ser colocado nos direitos econômicos e sociais, onde todos os governos falharam, até a presente data.

Uma coordenação de partidos social-democratas, que inclui Attayar (Corrente Democrática), Ettakatol (Fórum Democrático pelo Trabalho e Liberdades) e Al Joumhouri (Partido Republicano) também organizou protestos no centro de Túnis.

O roteiro há muito prometido revelado por Saied no mês passado envolve um referendo constitucional, a ser realizado em 25 de julho, após uma consulta pública online entre janeiro e março, e eleições parlamentares em dezembro deste ano.

Ficar no jogo ou levar a bola

De acordo com Kahlaoui, o principal teste é se as forças da oposição vão seguir o plano do presidente e combatê-lo de dentro, ou impor o seu próprio. Ele questionou se eles serão capazes de combater Saied de forma eficaz e propor um plano alternativo viável para sair da crise atual.

Na sua opinião, a elite política deve operar “dentro da estrutura do roteiro existente” enquanto se concentra nas prioridades sociais e econômicas da Tunísia.

“Seria mais realista passar pelo plano anunciado para então encontrar oportunidades reais para reequilibrar o poder com Saied, e avançar para garantir a restauração das instituições do país e o funcionamento da democracia pelo menos”, argumentou Kahlaoui. “Esse é o caminho a seguir.”

Ele disse que o verdadeiro “vetor de mudança” é como o presidente vai abordar o dossiê socioeconômico e se ele estará em condições de limitar a possível mobilização dos movimentos sociais, em consonância com a degradação das condições econômicas e sociais.

Ele acrescentou que a poderosa União Geral dos Trabalhadores da Tunísia (UGTT) está sendo cuidadosa em evitar uma briga aberta com o presidente Saied.

O secretário-geral da UGTT, Noureddine Taboubi, criticou o roteiro do presidente em dezembro, dizendo que faz pouco para enfrentar os problemas sociais e econômicos do país.

“Até quando vamos discutir a constituição? As pessoas hoje estão com o estômago vazio e estão ficando mais pobres”, disse Taboubi. Ele acrescentou que o sindicato apoiou os movimentos de Saied em 25 de julho, mas “não lhe deu um cheque em branco”.

Em comunicado divulgado na sexta-feira, a UGTT apelou ao diálogo com a participação das diferentes forças nacionais para actuar de acordo com a lei e a protecção dos direitos e liberdades.

Embora as ações de Saied em julho continuem recebendo apoio da população tunisiana, o presidente perdeu parte de sua popularidade à medida que a oposição crescente se tornou mais abertamente crítica ao que considera uma trajetória autocrática.

Da Aljazira

Deixe seu comentário