“Precisamos de um programa emergencial para tirar o Brasil do atraso”, avalia direção do MST

“Precisamos de um programa emergencial para tirar o Brasil do atraso”, avalia direção do MST

Após um ano marcado não apenas pela má gestão do governo federal no combate à pandemia, mas por ataques ao meio ambiente, às comunidades tradicionais e os direitos do povo brasileiro que padece de fome, Alexandre Conceição, da direção nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) aponta os desafios enfrentados pelos movimentos do campo e alerta para a necessidade de um projeto amplo e coletivo para 2022.

Em entrevista ao Brasil de Fato, Alexandre destacou as ações de solidariedade dos movimentos e organizações sociais, que na contramão das ações do governo, forneceram condições de sobrevivência para as famílias em situação de rua e abandono.

Mas para 2022, os desafios são ainda maiores e, segundo Alexandre, a prioridade é a construção de um projeto amplo, coletivo e de massa para a eleição do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva e para a luta permanente pela reforma agrária popular, que garante alimento e renda para o povo brasileiro.
Mudou justamente a destruição da política pública, a destruição do programa de reforma agrária, garantido na nossa Constituição e de outros programas da política pública de maneira geral da comercialização, produção de alimentos, destruição de sementes e, inclusive, de subsídios para que a agricultura familiar siga produzindo alimentos.

Esse foi o grande enfrentamento que tivemos esse ano, e, ao mesmo tempo, a pandemia, que nos fez segurar um pouco mais as lutas políticas, mas ao mesmo tempo, nos remeteu para que a gente pudesse voltar para os assentamentos e produzir mais alimentos saudáveis, para inclusive combater aquilo que já temos alertado desde 2015, de que a fome estaria voltando para o Brasil por conta da inflação e por conta da política neoliberal adotada pelo governo Temer e de Bolsonaro.

Então o Natal Sem Fome é uma campanha nacional do Movimentos dos Trabalhadores Rurais Sem Terra e contamos com a divulgação para que, as pessoas que não possam produzir, possam contribuir com um PIX e contribuam com o Natal Sem Fome de milhões de trabalhadores que perderam seus empregos, perderam seus parentes, moradia e não tem o que comer.

Para isso, nossa principal tarefa é organizar uma ampla campanha, massiva, popular, construindo comitês populares, chamando a população que necessita, que passa fome, que precisa de emprego, os cientistas, os jornalistas e toda a sociedade brasileira, para discutirmos um projeto e um programa emergencial para tirar o Brasil do atraso, do fascismo, da fome e da miséria que nos encontramos, fazendo uma belíssima e grande campanha popular para eleger presidente da República Luís Inácio Lula da Silva.

Obs.: Resumo de poste publicado no  Brasil de Fato

Deixe seu comentário