Plataforma “Frequências Preciosas” lança mapeamento nacional de cantoras negras e indígenas

Plataforma “Frequências Preciosas” lança mapeamento nacional de cantoras negras e indígenas

Por Brasil de Fato

A plataforma musical baiana Frequências Preciosas, que busca difundir a arte de cantoras negras e indígenas da cena independente nacional, lança chamada de mapeamento “Seja Uma Preciosa” por meio de formulário disponível no site da iniciativa.

Para o cadastro, é necessário preencher os dados solicitados, como nome artístico, perfil descritivo, links de canções no Youtube e outras plataformas musicais, contatos das redes sociais e fotos. O único requisito para o cadastro é que as cantoras brasileiras se autodeclarem negras ou indígenas.

O objetivo é catalogar estas artistas, dispor seus perfis e materiais no site da Frequências Preciosas, como um banco de dados. Foi desta forma que a plataforma surgiu: em pandemia, maio de 2020, a multiartista e produtora Viviane Pitaya começou a mapear e se conectar com cantoras negras e indígenas para entender como elas produziam seus trabalhos e quais eram as dificuldades enfrentadas.

::Ouça e assista | Luedji Luna: “O amor é fundamental para reconstrução da nossa humanidade”::

O esforço resultou em um levantamento de mais de 500 cantoras nacionais. Cerca de 50 artistas espalhadas em 37 cidades tiveram seu material publicado (foto, canção, mini-bio, contato).

“Essa diversidade precisa ser reconhecida. Queremos ser voz e veículo, livro de registro dessas histórias”, pontua Pitaya, que acaba de lançar o single e videoclipe Solução.

Para maiores informações: Site / Facebook / Instagram / YouTube / Email: [email protected]


:: Clique aqui para receber notícias do Brasil de Fato RS no seu Whatsapp ::

SEJA UM AMIGO DO BRASIL DE FATO RS

Você já percebeu que o Brasil de Fato RS disponibiliza todas as notícias gratuitamente? Não cobramos nenhum tipo de assinatura de nossos leitores, pois compreendemos que a democratização dos meios de comunicação é fundamental para uma sociedade mais justa.

Precisamos do seu apoio para seguir adiante com o debate de ideias, clique aqui e contribua.

Deixe seu comentário