Ministro da Educação tenta ludibriar, mas não convence sobre Enem

Ministro da Educação tenta ludibriar, mas não convence sobre Enem
Matéria publicada originalmente no Site Portal Vermelho, clique no link para ir para Site do autor: Portal vermelho

O ministro da Educação, Milton Ribeiro, negou interferência do governo nas provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Ribeiro compareceu à reunião da Comissão de Educação da Câmara dos Deputados nesta quarta-feira (17) enquanto os parlamentares discutiam requerimentos de convite ou convocação do ministro para explicar a declaração do presidente da República, Jair Bolsonaro, de que o Enem terá a “cara do governo” este ano, além dos pedidos de exoneração de funcionários do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), órgão responsável por elaborar e organizar o Enem.

As explicações de Ribeiro, no entanto, não convenceram, e deputados da Oposição reiteraram as acusações de ingerência ideológica no exame. Durante a reunião, a deputada Alice Portugal (PCdoB-BA) solicitou uma diligência no Inep para averiguar os desvios que estão acontecendo no órgão e colocando em dúvida a lisura do Enem.

“O governo Bolsonaro instalou o caos na Educação brasileira. O Inep, órgão responsável pelo Enem, está sendo desmontado e servidores denunciam que o governo tem interferido na escolha dos conteúdos das provas do exame deste ano. Por isso, precisamos averiguar, com auxílio do Ministério Público e do Tribunal de Contas da União, o que está acontecendo no Inep. O Enem é o principal acesso ao ensino superior no Brasil e precisa ser realizado com segurança e seriedade, o que não estamos vendo neste governo”, apontou Alice Portugal.

De acordo com o requerimento apresentado pela parlamentar, “a submissão prévia de provas do Enem a pessoas externas ao Inep é fato da maior gravidade e põe em risco a credibilidade do exame, além de permitir que pessoas inescrupulosas possam se utilizar deste acesso privilegiado para fraudar as provas”.

Ribeiro manteve o discurso de que não há interferência política no exame. E explicou que decidiu ir ao colegiado antes de qualquer convocação, pois a partir de quinta-feira (18) irá viajar e não conseguiria comparecer à Câmara antes da aplicação do Enem, marcada para os próximos dois domingos (21 e 28 de novembro). Além da defesa do governo Bolsonaro, o ministro tentou ainda tirar o foco da denúncia, reforçando teses levantadas por Bolsonaro de que o exame não traria questões polêmicas, “como em anos anteriores”.

“A hora que eu coloco questões que são peculiares a determinados guetos ideológicos ou pensamentos numa prova do Enem que atinge 3 milhões, 4 milhões, 5 milhões, eu estou dando uma primazia para um grupo que está acostumado a uma determinada linguagem e prática em detrimento de uma grande maioria do povo brasileiro, que não conhece esse tipo de linguajar e palavras-chaves”, afirmou.

Para o líder do PCdoB na Câmara, deputado Renildo Calheiros (PE), as denúncias de interferência ideológica do governo Bolsonaro na prova do Enem são graves e precisam ser esclarecidas. “O ministro da Educação, pastor Milton Ribeiro, está na Câmara se explicando, mas não convence ninguém. Está tentando desviar o foco do vazamento de informações. É chocante o relato de servidores. Segundo eles, para fiscalizar o conteúdo do Enem, o governo Bolsonaro usa artifícios como antecipar a impressão das provas, que passam por mais pessoas. Pessoal não qualificado também teria tido acesso ao local de preparo das provas. Isso é grave e precisa ser investigado”, destacou.

A deputada Natália Bonavides (PT-RN) diz que o ministro não
respondeu nada sobre os absurdos indícios de intervenção autoritária na prova
do Enem. “Esse governo está destruindo a educação e não pode continuar!”,
criticou.

Para o líder da Minoria, Marcelo Freixo (PSB-RJ) a situação
chegou no limite. “ATENÇÃO! Eu e os demais líderes da oposição acionamos o MPF
para que o ministro da Educação Milton Ribeiro responda por improbidade
administrativa devido às interferências políticas no ENEM”, escreveu no Twitter.

“O Enem é uma instituição do Estado brasileiro e, por isso, não deve ter a cara de nenhum governo. Foi o que eu disse para o ministro da Educação”, lembrou o líder da Oposição, Alessandro Molon (PSB-RJ).

Exoneração de servidores

Nos últimos dias, 37 servidores pediram exoneração de seus cargos em comissão no Inep, alegando fragilidade técnica e administrativa na gestão e inaptidão do presidente do órgão, Danilo Dupas. Também foram relatados casos de assédio moral por parte dele.

O ministro, no entanto, atribuiu os pedidos de exoneração a um “ruído” em relação ao recebimento da chamada Gratificação por Encargo de Curso ou Concurso (GECC) pelos servidores que elaboram as provas do Enem.

O argumento foi refutado por parlamentares da Oposição que chegaram a sugerir que a comissão ouvisse os funcionários para que eles pudessem responder a afirmação de Ribeiro sobre as gratificações.

GT para acompanhamento do Enem

Diante das dúvidas que pairam sobre o exame, a presidente da comissão, deputada Professora Dorinha Seabra Rezende (DEM-TO), informou que foi criado um grupo de trabalho misto, composto por quatro deputados titulares e quatro suplentes e quatro senadores titulares e quatro suplentes, para acompanhar a realização do Enem.

Fonte: Lideranças do PCdoB na Câmara dos Deputados

O post Ministro da Educação tenta ludibriar, mas não convence sobre Enem apareceu primeiro em Vermelho.

Deixe uma resposta