Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
Governo do Amazonas adota plano de eficiência para economia de energia

Governo do Amazonas adota plano de eficiência para economia de energia

Por Osíris M. Araújo da Silva

O crescente desafio global de enfrentar a escassez de recursos energéticos e mitigar os impactos ambientais decorrentes do consumo desenfreado de energia impõe uma urgente necessidade de ações concretas e eficazes em todas as esferas da sociedade. Neste contexto, o Governo do Amazonas, em sintonia com seu compromisso de promover o desenvolvimento sustentável e a preservação ambiental, reconhece a importância estratégica da gestão e eficiência energética em suas atividades e instalações públicas. Simplificadamente, eficiência energética pode ser entendida como resultado da diminuição de gastos com o insumo para produzir a mesma quantidade de produtos.

Ao encontro desse desafio, o Governo amazonense determinou, por meio da Lei n° 5.350/2020, a adoção de técnicas de gestão de tecnologias de fontes renováveis de energia e eficiência energética em todos os órgãos da administração direta e indireta do Estado visando à diminuição, por parte do poder público, dos gastos com a utilização de energia convencional. Para alcançar o objetivo foi elaborado um Plano de Gestão de Eficiência Energética para os órgãos estaduais que tem por finalidade última coexistir com as medidas adotadas por meio do Decreto estadual n° 47.925/2023, que dispõe sobre a redução de despesas de custeio.

Ao estabelecer metas ambiciosas e estratégias práticas para a eficiência energética em instalações públicas, o governador Wilson Lima determinou à Companhia de Desenvolvimento do Estado do Amazonas (Ciama) a criação do Plano em referência, implementado, inicialmente, na própria companhia, dando início à adoção de práticas sustentáveis de consumo de energia, de modo a contribuir ativamente para a construção de um futuro mais verde e próspero. Dentre os pressupostos do Plano destacam-se a redução da demanda; a redução de custos; a economia financeira; a redução de volume de emissões de gases de efeito estufa (GEE); e a promoção e solidificação de consciência ambiental por parte do funcionalismo e da própria sociedade, enfim.

O passo seguinte, de acordo com a Ciama configurou-se por meio da elaboração do Plano de Gestão e Eficiência Energética para a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação (Sedecti), observando toda uma metodologia que envolveu uma série de ações como: reunião de kick-off; análise de contratos de demanda firmados com a concessionária de energia; visitas técnicas acompanhados por representantes do órgão aos compartimentos internos e áreas externas; levantamento de dados do consumo de energia; levantamento de cargas, com inventário de equipamentos eletroeletrônicos, parque de informática, iluminação e climatização; levantamento da situação dos quadros de distribuição de energia; análise de dados de consumo de energia do órgão; elaboração do relatório de análise de demanda; e elaboração de uma Cartilha de Eficiência Energética.

Segundo o presidente da Ciama, Aluizio Barbosa, os estudos realizados já permitiram uma redução inicial da ordem de 34% no consumo de energia da Sedecti que, em continuidade às recomendações do Plano de Gestão e Eficiência Energética, vem promovendo ações de sensibilização junto ao seu corpo técnico de sorte a alcançar novos patamares de redução de custos do insumo. A Ciama está replicando o “caso de sucesso” da Sedecti junto à Secretaria de Administração e Gestão (Sead), ora em fase de implementação; ao Sistema Encontro das Águas (Rádio e Televisão) e nas unidades de responsabilidade da Secretaria de Estado do Desporto e Lazer (Sedel), como Arena da Amazônia, Ginásio Amadeu Teixeira e Vila Olímpica de Manaus.

As conquistas alcançadas com o Plano nessa fase inicial está entusiasmando outros órgãos a se voltarem para a elaboração dos seus respectivos Planos de Gestão de Eficiência Energética, em observância às determinações emanadas das medidas preconizadas pelo Executivo amazonense para o setor.

Sobre o autor

Osíris M. Araújo da Silva é economista, escritor, membro do Instituto Geográfico e Histórico do Amazonas (IGHA) e da Associação Comercial do Amazonas (ACA).

*O conteúdo é de responsabilidade do colunista

As informações apresentadas neste post foram reproduzidas do Portal Amazônia e são de total responsabilidade do autor.
Ver post do Autor

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn

Postes Recentes

FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO

Redes Sociais: