EUA provocaram a crise na Ucrânia, defende jornalista norte-americano

EUA provocaram a crise na Ucrânia, defende jornalista norte-americano
Por Brasil Popular

Um relatório da Rand Corporation, um dos think tanks que o Departamento da Defesa mais tem em consideração, «receitou» as provocações contra a Rússia e previu as acções de Moscovo

 

 

Ao analisar o relatório da Rand – publicado em 2019 e intitulado «Overextending and Unbalancing Russia» (exceder e desequilibrar a Rússia) –, o jornalista norte-americano Rick Sterling afirma que o objectivo dos EUA era minar a Rússia, tal como o fez com a União Soviética no período da guerra fria.

 

 

«Em vez de “tentar estar na vanguarda” ou tentar melhorar a situação dos Estados Unidos a nível interno e nas relações internacionais, a ênfase é colocada nos esforços e nas acções para minar o adversário designado, a Rússia», diz Sterling numa análise que publicou dia 27 no portal dissidentvoice.org e também acessível em english.almayadeen.net.

 

 

A Rand, um think tank «quase governamental, que recebe três quartos do seu financiamento do Exército norte-americano», listou uma série de medidas anti-russas nas áreas económica, geopolítica, ideológica/informativa e militar.

 

 

Sterling destaca a importância da Ucrânia – a vários níveis – para a Rússia e, nesse sentido, afirma que se trata de uma «componente importante do esforço de EUA/NATO para minar a Rússia».

 

 

Por isso mesmo, Victoria Nuland, actual subsecretária de Estado para Assuntos Políticos, disse que os Estados Unidos investiram cinco mil milhões de dólares, ao longo de 20 anos, para «virar» a Ucrânia para a sua esfera de influência.

 

 

O culminar desse processo – sublinha Sterling – foi o golpe de Fevereiro de 2014, também conhecido como golpe fascista de Maidan. «Desde 2015, os EUA têm treinado milícias ultra-nacionalistas e neonazis», afirma o jornalista, dando indicação de várias peças que o documentam.

 

Provocações sugeridas contra Moscovo

 

 

think tank altamente financiado pelo Pentágono sugeriu uma série de provocações contra a Rússia, que foram de facto implementadas. Uma delas foi o aumento da ajuda militar à Ucrânia, que tem vindo sempre a crescer desde 2019. Segundo refere The Hill, no último ano, chegou aos mil milhões de dólares.

 

 

Das muitas sugestões da Rand, Sterling destaca reposicionar os bombardeiros a uma distância de ataque fácil dos alvos estratégicos russos; colocar mais armas nucleares tácticas em locais da Europa e da Ásia; aumentar a presença das forças navais norte-americanas e dos seus aliados nas zonas de operações da Rússia (Mar Negro).

 

 

Ainda a realização de exercícios de guerra da NATO junto às fronteiras da Rússia; e a retirada de Washington do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF).

 

 

De acordo com Sterling, a alternativa, que podia ter evitado a actual intervenção militar russa, teria sido declarar a Ucrânia não apta para a NATO. «Mas isto teria sido o oposto da intenção de Washington de pressionar, provocar e ameaçar deliberadamente a Rússia», refere.

 

 

Em Dezembro do ano passado, refere, a Rússia propôs a celebração de um tratado com os Estados Unidos e a NATO, e a proposta central era um acordo, por escrito, segundo qual a Ucrânia não se tornaria membro da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO).

 

 

O relatório da Rand refere-se a um eventual «acordo de paz desvantajoso» e Sterling questiona para quem é que a paz traria desvantagens, lembrando a perda de vidas na Ucrânia por causa do conflito, agora, e as mais de 14 mil no Donbass, desde o golpe de 2014.

 

 

Em seu entender, um acordo de paz que garantisse os direitos fundamentais de todos os ucranianos e a neutralidade do país seria «vantajoso para a maioria dos ucranianos».

 

 

Aqueles que «não tirariam vantagens» seriam o complexo industrial mediático-militar dos EUA e os ultra-nacionalistas na Ucrânia, afirma o jornalista.

 

 

O relatório da Rand Corporation «mostra como a política dos Estados Unidos se centra em acções para prejudicar a Rússia e manipula a terceiros países (Ucrânia) com vista a essa tarefa», sublinha.

 




SEJA UM AMIGO DO JORNAL BRASIL POPULAR

 

Jornal Brasil Popular apresenta fatos e acontecimentos da conjuntura brasileira a partir de uma visão baseada nos princípios éticos humanitários, defende as conquistas populares, a democracia, a justiça social, a soberania, o Estado nacional desenvolvido, proprietário de suas riquezas e distribuição de renda a sua população. Busca divulgar a notícia verdadeira, que fortalece a consciência nacional em torno de um projeto de nação independente e soberana.  Você pode nos ajudar aqui:

 

• Banco do Brasil
Agência: 2901-7
Conta corrente: 41129-9

• BRB

 

Agência: 105
Conta corrente: 105-031566-6 e pelo

• PIX: 23.147.573.0001-48
Associação do Jornal Brasil Popular – CNPJ 23147573.0001-48

 

E pode seguir, curtir e compartilhar nossas redes aqui:

📷 https://www.instagram.com/jornalbrasilpopular/

🎞 https://youtube.com/channel/UCc1mRmPhp-4zKKHEZlgrzMg

📱 https://www.facebook.com/jbrasilpopular/

💻 https://www.brasilpopular.com/

📰🇧🇷BRASIL POPULAR, um jornal que abraça grandes causas! Do tamanho do Brasil e do nosso povo!

🔊 💻📱Ajude a propagar as notícias certas => JORNAL BRASIL POPULAR 📰🇧🇷

Precisamos do seu apoio para seguir adiante com o debate de ideias, clique aqui e contribua.

Deixe seu comentário